Eleições – hora do discernimento

O mo­men­to di­fí­cil que o Bra­sil atra­ves­sa po­de tor­nar-se opor­tu­ni­da­de pa­ra o cres­ci­men­to. Apro­xi­mam-se as elei­ções e ain­da há mui­ta in­de­fi­ni­ção e per­ple­xi­da­de em re­la­ção à es­co­lha dos can­di­da­tos. Até aqui, as aten­ções da cam­pa­nha elei­to­ral fo­ca­ram, so­bre­tu­do, a elei­ção pre­si­den­ci­al. Es­ta é, cer­ta­men­te, mui­to im­por­tan­te, pois o elei­to, ou elei­ta, de­ve­rá re­pre­sen­tar o Bra­sil com dig­ni­da­de e com­pe­tên­cia e li­de­rar a vi­da po­lí­ti­ca na­ci­o­nal nos próximos quatro anos. Com me­nos ên­fa­se, fa­la-se tam­bém da elei­ção pa­ra o Exe­cu­ti­vo es­ta­du­al.
Mas é ne­ces­sá­rio olhar com aten­ção e in­te­res­se pa­ra aque­les que vão in­te­grar o Con­gres­so Na­ci­o­nal, que são os se­na­do­res e os de­pu­ta­dos fe­de­rais, e as As­sem­blei­as Le­gis­la­ti­vas dos Es­ta­dos, os de­pu­ta­dos es­ta­du­ais. Num sis­te­ma de­mo­crá­ti­co, co­mo o nos­so, os man­da­tá­ri­os dos Exe­cu­ti­vos não go­ver­nam sem uma in­te­ra­ção po­lí­ti­ca po­si­ti­va com os res­pec­ti­vos Par­la­men­tos. Um Con­gres­so bem qua­li­fi­ca­do aju­da o País a avan­çar po­li­ti­ca­men­te e a en­con­trar so­lu­ções pa­ra os pro­ble­mas que o po­vo bra­si­lei­ro en­fren­ta. O con­trá­rio dis­so tam­bém é ver­da­dei­ro, in­fe­liz­men­te.
No dia 17 de abril pas­sa­do, os bis­pos ca­tó­li­cos do Bra­sil, reu­ni­dos em as­sem­bleia-ge­ral, emi­ti­ram uma men­sa­gem so­bre o mo­men­to po­lí­ti­co e a cam­pa­nha elei­to­ral des­te ano, no de­se­jo de ofe­re­cer al­guns cri­té­ri­os de dis­cer­ni­men­to pa­ra as es­co­lhas a se­rem fei­tas nas ur­nas. Res­pei­tan­do o di­rei­to de es­co­lha de ca­da ci­da­dão, e sem pres­cre­ver par­ti­do ou can­di­da­to, os mem­bros da Con­fe­rên­cia Na­ci­o­nal dos Bis­pos do Bra­sil (CNBB) lem­bram aos ca­tó­li­cos que a nin­guém é con­sen­ti­do fi­car alheio na lu­ta pe­la jus­ti­ça, con­for­me pa­la­vras do pa­pa Ben­to XVI (Deus Ca­ri­tas Est, 28). To­dos são con­vo­ca­dos a se em­pe­nhar ho­nes­ta­men­te na cons­tru­ção do bem co­mum e de um mun­do me­lhor (pa­pa Fran­cis­co). A vi­da po­lí­ti­ca te­ria ra­zão de exis­tir se não fos­se ani­ma­da por es­ses pro­pó­si­tos?
O exer­cí­cio da fun­ção po­lí­ti­ca não po­de­ria ser re­a­li­za­do de mo­do le­gí­ti­mo sem ser ori­en­ta­do por ele­va­dos e fir­mes di­ta­mes éti­cos e mo­rais. Em sua men­sa­gem, os bis­pos la­men­tam a atu­al cre­di­bi­li­da­de bai­xa da po­lí­ti­ca, em gran­de par­te, con­sequên­cia do aban­do­no da éti­ca no exer­cí­cio da fun­ção po­lí­ti­ca e da fal­ta de bo­as po­lí­ti­cas pú­bli­cas, vol­ta­das pa­ra a pre­ven­ção ou a su­pe­ra­ção dos gran­des ma­les que afli­gem os bra­si­lei­ros, co­mo a po­bre­za per­sis­ten­te, o de­sem­pre­go e a vi­o­lên­cia. Com a po­lí­ti­ca em des­cré­di­to, é fá­cil que pro­pos­tas per­so­na­lis­tas, até ra­di­cais e to­ta­li­tá­ri­as, con­quis­tem sim­pa­tia e apoio, em­bo­ra se­jam viá­veis na prá­ti­ca ape­nas com o des­res­pei­to aos prin­cí­pi­os de­mo­crá­ti­cos.
O mo­men­to é de aten­ção e dis­cer­ni­men­to. As pró­xi­mas elei­ções po­dem ser pro­mis­so­ras pa­ra o for­ta­le­ci­men­to da de­mo­cra­cia bra­si­lei­ra e po­de­mos ofe­re­cer nos­sa con­tri­bui­ção me­di­an­te uma es­co­lha re­fle­ti­da e con­se­quen­te, tra­du­zi­da no vo­to. Es­sa é a me­lhor for­mar de su­pe­rar o des­cré­di­to na po­lí­ti­ca.
O de­sin­te­res­se e a abs­ten­ção do pro­ces­so po­lí­ti­co jo­gam em des­fa­vor do pró­prio ci­da­dão in­sa­tis­fei­to. Há mui­to a ser va­lo­ri­za­do nas re­cen­tes con­quis­tas pa­ra me­lho­rar a vi­da po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra. É ine­gá­vel que te­mos, ho­je, mai­or cons­ci­ên­cia do ca­os po­lí­ti­co do País, e até fi­ca­mos es­pan­ta­dos. Mas is­so se de­ve em boa par­te a es­sas con­quis­tas re­le­van­tes do po­vo bra­si­lei­ro pa­ra apri­mo­rar a vi­da po­lí­ti­ca.
Por es­se mo­ti­vo, a men­sa­gem da CNBB in­sis­te em di­zer que, nas pró­xi­mas elei­ções, não se de­ve abrir mão do vo­to, em­bo­ra es­te não es­go­te o exer­cí­cio da ci­da­da­nia; nem se dei­xe de acom­pa­nhar os elei­tos e de par­ti­ci­par efe­ti­va­men­te da cons­tru­ção de um País jus­to e bom pa­ra to­dos. Ca­be a to­dos a vi­gi­lân­cia so­bre a li­su­ra do pro­ces­so elei­to­ral, fa­zen­do va­ler dis­po­si­ti­vos le­gais con­quis­ta­dos me­di­an­te a par­ti­ci­pa­ção po­pu­lar, co­mo a Lei 9.840/1999, de com­ba­te à cor­rup­ção elei­to­ral com a com­pra de vo­tos e o uso da má­qui­na ad­mi­nis­tra­ti­va, e a Lei 135/2010, co­nhe­ci­da co­mo Lei da Fi­cha Lim­pa, que tor­na ine­le­gí­vel quem foi con­de­na­do em de­ci­são pro­fe­ri­da por ór­gão ju­di­ci­al co­le­gi­a­do.
O pa­pa Fran­cis­co tem en­co­ra­ja­do os cris­tãos lei­gos a par­ti­ci­par efe­ti­va­men­te da vi­da po­lí­ti­ca de seus paí­ses, co­mo fez em de­zem­bro de 2017, ao se di­ri­gir a lí­de­res po­lí­ti­cos ca­tó­li­cos reu­ni­dos em Bo­go­tá: “São ne­ces­sá­ri­os di­ri­gen­tes po­lí­ti­cos que vi­vam com pai­xão o seu ser­vi­ço aos po­vos (…), so­li­dá­ri­os com seus so­fri­men­tos e es­pe­ran­ças; po­lí­ti­cos que an­te­po­nham o bem co­mum a seus in­te­res­ses pri­va­dos; não se dei­xem in­ti­mi­dar pe­los gran­des po­de­res fi­nan­cei­ros e mi­diá­ti­cos; se­jam com­pe­ten­tes e pa­ci­en­tes di­an­te de pro­ble­mas com­ple­xos, pron­tos a ou­vir e a apren­der no diá­lo­go de­mo­crá­ti­co e con­ju­guem a bus­ca da jus­ti­ça com a mi­se­ri­cór­dia e a re­con­ci­li­a­ção”.
A fé cris­tã não é ali­e­nan­te, nem de­sin­te­res­sa­da da vi­da nes­te mun­do; tam­pou­co de­ve ser des­vin­cu­la­da da par­ti­ci­pa­ção res­pon­sá­vel na edi­fi­ca­ção da so­ci­e­da­de. Os ca­tó­li­cos, co­mo os de­mais ci­da­dãos, con­tri­bu­em pa­ra a vi­da co­mum com su­as con­vic­ções a res­pei­to do mun­do, da pes­soa hu­ma­na e de to­dos os as­pec­tos da vi­da so­ci­al. Es­sa par­ti­ci­pa­ção de­ve ser ofe­re­ci­da co­mo um en­ri­que­ci­men­to pa­ra a vi­da so­ci­al e cul­tu­ral e em na­da fe­re os prin­cí­pi­os da lai­ci­da­de do Es­ta­do e da se­pa­ra­ção en­tre Es­ta­do e Igre­ja. Da par­te da Igre­ja Ca­tó­li­ca, con­tu­do, es­tá cla­ro que a mi­li­tân­cia po­lí­ti­co-par­ti­dá­ria e o de­sem­pe­nho de car­gos po­lí­ti­cos com­pe­te aos fiéis lei­gos, e não aos re­pre­sen­tan­tes hi­e­rár­qui­cos da Igre­ja.
A men­sa­gem da CNBB cha­ma à es­pe­ran­ça e à su­pe­ra­ção do de­sen­can­to e do de­sâ­ni­mo. As elei­ções ofe­re­cem ao po­vo a opor­tu­ni­da­de de ava­li­ar os can­di­da­tos e apoi­ar os que fo­rem acha­dos idô­ne­os e com­pe­ten­tes pa­ra o exer­cí­cio do car­go plei­te­a­do. O mo­men­to di­fí­cil que o Bra­sil atra­ves­sa po­de se tor­nar uma opor­tu­ni­da­de pa­ra o cres­ci­men­to. “Sem ti­rar os pés do chão du­ro da re­a­li­da­de, so­mos mo­vi­dos pe­la es­pe­ran­ça, que nos com­pro­me­te com a su­pe­ra­ção de tu­do o que afli­ge o po­vo”.
Cardeal Odilo Pedro Scherer
Arcebispo de São Paulo (SP)

%d blogueiros gostam disto: