Conselho de Pastoral Diocesano discute missão e papel do leigo na Igreja

Segunda reunião ordinária do Conselho de Pastoral Diocesano teve um caráter formativo abordando o documento 105 da CNBB: “Cristãos leigos e leigas na Igreja e na sociedade: sal da terra e luz do mundo”

Com um caráter formativo, a segunda reunião ordinária do Conselho de Pastoral Diocesano de 2018 abordou o documento 105 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), discutindo o tema “Cristãos leigos e leigas na Igreja e na sociedade: sal da terra e luz do mundo.” O encontro foi realizado na quarta-feira, 16, no Centro de Treinamento de Sobral (Cetreso) e contou com a participação de sacerdotes e leigos de todas as regiões episcopais da Diocese de Sobral.

O ano do laicato relembra e desperta o papel do leigo na Igreja, de acordo com o bispo diocesano Dom José Luiz Gomes de Vasconcelos. “O documento 105 insiste na vocação primeira do leigo à santidade e exige que o cristão esteja presente na Igreja”, destaca. O bispo lembra que o Papa Francisco constantemente tem pedido que a Igreja cada vez mais abra as portas para que os leigos possam se expressar e contribuir na missão evangelizadora da Igreja. “É preciso ampliar o papel dos leigos na sociedade. Com sua consciência cristã, eles podem dar testemunho de vida nos vários espaços, inclusive na política”, garante.

É preciso ainda investir em formação para os leigos, segundo Dom Vasconcelos. “É preciso investir em formação na vida para dar testemunho no mundo do trabalho”, destaca. Um dos encaminhamentos do encontro foi pensar uma programação de formação permanente para os leigos. “É necessário capacitar, é preciso ter formação orgânica. A Igreja contribuiu muito para a conscientização política e mudança de mentalidade na sociedade, mas não preparamos lideranças”, ressalta.

O encontro foi formativo atendendo a uma demanda da Comissão Episcopal Pastoral para o Laicato, cujo bispo de referência é Dom Francisco Edimilson Neves Ferreira, bispo da Diocese de Tianguá. A missão da comissão é “promover a vocação e missão, formação e espiritualidade, organização e atuação do laicato na Igreja e no mundo”. O encontro teve como objetivo “aprofundar o Ano Nacional do Laicato e dar alguns encaminhamentos”, ressalta Pe. João Jesuíno Marques, Coordenador Diocesano de Pastoral.

Formação

O momento formativo foi conduzido pelo teólogo e assistente social César Rocha, chanceler da Diocese de Tianguá e membro da Comissão Episcopal Pastoral para o Laicato do Regional Nordeste 1. Ele aprofundou a importância do leigo dentro da missão da Igreja. “Estamos no Ano Nacional do Laicato e o leigo tem um papel fundamental não só na Igreja, mas na sociedade. Pelo batismo, ele se torna membro vivo desta Igreja e presença fundamental na ação evangelizadora através do seu testemunho de vida, através da sua inserção nas realidades temporais, sobretudo mais gritantes da sociedade. Ele consegue ser um sinal de Igreja, um sinal da presença de Deus. Então, o leigo é verdadeiramente sal e luz como o próprio Jesus Cristo nos convida”, garante.

César Rocha ressalta que os leigos assumem na Igreja papel tanto pastoralmente quanto na dimensão missionária. “Os leigos são chamados a se inserir em todas as dimensões: pastoral, missionária e sendo Igreja no coração do mundo e mundo no coração da Igreja, mas também no trabalho, no seio da sociedade sendo sal e luz”. O chanceler de Tianguá ressalta que é preciso investir na formação “sistemática, permanente e abrangente” para que cada vez mais pessoas tenham consciência de sua missão na Igreja e na sociedade.

%d blogueiros gostam disto: