Diocese de Sobral participa da Semana Nacional de Combate às drogas

Mensagem deve ser lida nas missas e celebrações da Palavra durante Semana de 17 a 23 de junho

Destinada aos Coordenadores Diocesanos, Paróquias, Escolas, Leigos e demais Conselhos Comunitários

Finalidade

a) Motivar a leitura nas Missas e Celebrações da Palavra durante a Semana Nacional de Combate às Drogas – 17 a 23 de junho de 2018;

b) Motivar a divulgação desta carta nas escolas.

Paz e Bem!

Somos aquilo que escolhemos. Saber escolher é decisivo na vida. Vou me tornando aquilo que escolho. Não existe caminho traçado. Não existe determinismo. Ninguém pode dizer: “eu nasci assim e minha vida vai continuando assim”. A vida é uma escolha permanente. Uma escolha que faz renunciar outras escolhas. Em cada dia, renova-se a escolha. Minhas ações, meu trabalho, vão caminhando segundo minhas escolhas.

É preciso sempre escolher a vida.. Ter capacidade de escolha é exercer a decisão de sempre escolher aquilo que ajuda a viver, aquilo que promove a vida. Escolher, em cada dia, tudo aquilo que ajuda a viver, é deixar de lado comidas e bebidas que estragam o corpo, as drogas que destroem a capacidade de livre decisão, é deixar de lado emoções e sentimentos que prejudicam, é saber abandonar preocupações que apenas tiram o sono e a alegria da vida.

A escolha da vida é a escolha do que nosso coração mais deseja. Somos feitos para viver. Saber escolher a vida é saber escolher a Deus. É escolher tudo aquilo que é de Deus. É escolher o amor e a paz. É escolher as pessoas, que são um desejo de vida. É escolher a natureza que, continuamente, renova a vida no universo.

Em cada dia, há uma nova escolha, porque tudo em nós é mudança, é evolução, é nova oportunidade. Porém, é bom saber que a escolha é acompanhada de uma renúncia. A escolha maior deixa no caminho outros desejos que necessitam ser renunciados para a escolha definitiva. A escolha definitiva será a soma das escolhas que foram feitas durante a vida. Se escolhemos viver, teremos como recompensa a vida plena e eterna, a felicidade.

O problema das drogas em toda a sua extensão, isto é, da produção ao consumo, é uma corrente de males de caráter pessoal e estrutural. É verdadeiro pecado que atenta contra a vida e a dignidade humana. A droga não é o problema principal do dependente. O consumo de droga é somente uma resposta falaz à falta de sentido positivo da vida.

A droga é um mal e ao mal não se dá trégua. A legalização, mesmo que parcial, mesmo sendo uma interpretação da índole da lei, não surtiu os efeitos previstos.

Se seu filho tornou-se vítima das drogas, ele já deve estar muito confuso e passando por diversos problemas. Aterrorizá-lo dentro de casa lhe dará mais certeza de que as drogas são a melhor saída. Portanto, diálogo, carinho e compreensão! Mas, atenção: compreender os problemas de seus filhos não quer dizer ser condescendente com o meio que ele encontrou para resolvê-los, que são as drogas. Médicos, psicólogos e entidades especializadas podem ser de grande ajuda. E aqui, na nossa Diocese, temos a Fazenda da Esperança que faz um caminho terapêutico com os jovens.

È muito importante que os pais participem da vida de seus filhos e da sua família, é a principal forma de identificar possíveis problemas e buscar soluções. Em famílias que dialogam, ocorre uma verdadeira troca, em que todos participam, se comprometem e ensinam uns aos outros. Pais têm muito o que ensinar aos seus filhos, mas também têm muito o que aprender. Se seus filhos sentirem sinceridade nessa postura de ensino-aprendizagem, eles confiarão nos pais e aceitarão mais facilmente suas orientações, especialmente no que se refere a mantê-los longe das drogas.

A posição da Igreja é firme e continua clara: NÃO LEGALIZEMOS AS DROGAS. A legalização das drogas é apenas uma perigosa ilusão, porque não enfrenta o efeito devastador da dependência e deixa de lado o compromisso da prevenção.

A resposta da Igreja ao fenômeno da dependência química é uma mensagem de esperança e um serviço que vai além do fato em si, pois chega ao núcleo central da pessoa humana. Não se limita a eliminar somente o mal, mas propõe, também, a redescoberta do verdadeiro sentido da vida. É um serviço da escola evangélica e realizado por meio de formas concretas de acolhida que, na prática, traduz uma proposta de vida e uma mensagem de amor.

Neste sentido, a Coordenação da 5º Urgência Pastoral – IGREJA A SERVIÇO DA VIDA PLENA PARA TODOS, propõe a sugestão que as paróquias, escolas, e todos os cristãos da Diocese de Sobral, possam descobrir pessoas que desejam buscar alternativas antidrogas, encaminhando-as aos órgãos competentes para serem acompanhadas, entre eles, a Fazenda da Esperança- Contato: Francirene Thomaz 9.9990-0807/ Ir. Aurilene 9.9866-9029.

Na certeza e esperança de contribuirmos para o fortalecimento e crescimento do Reino de Justiça, Paz e Igualdade.

Atenciosamente,

Pe. Francisco Ednardo

Padre de Referencia das Pastorais Sociais

Ir. Rozilda Cordeiro da Silva

Comissão das Pastorais Sociais

%d blogueiros gostam disto: