Dom Vasconcelos preside santa missa no Dia de São José Operário em intercessão pelos trabalhadores

Festa litúrgica foi instituída em 1955 pelo Papa Pio XII ao abençoar um grupo de trabalhadores reunidos na Praça de São Pedro, no Vaticano

A festa de São José Operário, padroeiro dos trabalhadores, é celebrada no dia 1º de maio, coincidindo com o Dia Mundial do Trabalho. A celebração litúrgica foi instituída em 1955 pelo Papa Pio XII, ao abençoar um grupo de mais de 200 mil trabalhadores reunidos na Praça de São Pedro, no Vaticano, que gritavam alegremente: “Viva Cristo trabalhador, vivam os trabalhadores, viva o Papa!”. Na Diocese de Sobral a festa foi celebrada com santa missa presidida pelo bispo diocesano Dom José Luiz Gomes de Vasconcelos na Catedral de Nossa Senhora da Conceição (Sé) na terça-feira, 1º de maio, e concelebrada pelo vigário da Catedral, Pe. Herlandino Sampaio e pelo Pe. Zenóbio Gomes Silveira.

“A Igreja quis exaltar a profissão de carpinteiro de São José e a dignidade do trabalho”, destaca Dom José de Vasconcelos. Também lembramos em maio o mês mariano e no segundo domingo, o Dia das Mães.

O Dia de São José Operário é momento ideal para reconhecer a importância dos trabalhadores, de acordo com Dom Vasconcelos. “Precisamos reconhecer a importância do trabalho, do trabalhador. Vivemos em uma sociedade que coloca o capital acima da vida das pessoas e na qual as pessoas valem enquanto podem produzir e têm recursos para adquirir os produtos. O trabalho foi feito para o homem e não o homem para o trabalho. O operário é digno do seu salário e é necessário ter um tempo para descansar, para rezar”, garante ao lembrar que o Senhor criou o universo em seis dias e descansou no sétimo. Durante a santa missa, o bispo diocesano também conduziu um momento de oração pelos trabalhadores e pelos desempregados.

Jesus assumiu em tudo a humanidade, inclusive no trabalho. “É preciso valorizar e reconhecer o trabalho do outro. Jesus assumiu a humanidade, inclusive o trabalho, era carpinteiro. Por isso, os de sua terra tiveram dificuldade de reconhecê-lo como Messias por ser filho do carpinteiro”, ressalta lembrando o Evangelho do dia. Dom Vasconcelos lembra ainda que é preciso valorizar todas as profissões e respeitar cada trabalhador. “Cada um tem sua sabedoria. Precisamos respeitar todos os trabalhadores e trabalhadoras”, completa.

Guardião da sagrada família

Dom José de Vasconcelos lembra durante a homilia que São José é celebrado com duas festas no decorrer do ano: São José esposo de Maria no dia 19 de março e São José Operário no dia 1º de maio. “São José é o esposo de Maria. No dia 19 de março, não celebramos seu nascimento nem lembramos sua morte, mas exaltamos sua vocação. Ele é guardião da sagrada família e padroeiro e guardião de toda a Igreja”.

O bispo diocesano também destaca o Evangelho no qual Jesus diz ser a verdadeira videira e o Pai é o agricultor. “Jesus nos pede para darmos fruto Nele. Jesus é a cabeça e nós somos os membros do corpo que é a Igreja”, explica. Dom Vasconcelos lembra ainda a importância do agricultor que pacientemente e com fé espera a chuva. “Nosso Nordeste está em festa porque os rios estão correndo, os açudes sangrando, mas nossa alegria não se compara com a dos agricultores”, completa.

Na primeira leitura do livro de Gênesis, vemos o Senhor que cria homem e mulher a sua imagem e semelhança e também lhes concede a tarefa de se tornarem cocriadores, mas com cuidado e atenção com a casa comum. “Deus quis que o homem participasse da criação. O homem criou coisas boas, bonitas, transforma a natureza, mas nem sempre cuida, às vezes destrói a natureza”, ressalta. Na segunda leitura, há um pedido do Senhor para que façamos tudo para a glória de Deus e com amor.

%d blogueiros gostam disto: