Em Dia com a Igreja

Enquanto as leis humanas estão tentando destruir a imagem da família, a Igreja continua acreditando na valorização da família como instituição divina e humana. O ser humano, homem e mulher, continua sendo “a imagem e semelhança de Deus”, pois sabe que a lei de Deus na criação está acima das leis dos homens. O artigo de Padre Valdery da Rocha, de 2011, ainda ressoa como uma voz que grita no deserto. Não deixemos que a ideologia de gênero dite as regras e condutas de nossas crianças e adolescentes. Que possamos, como cristãos, católicos, famílias, defender A FAMÍLIA.

E A FAMÍLIA BRASILEIRA, COMO VAI?
Sobre a família brasileira, uma pesquisa da Datafolha, publicada no início de outubro deste ano, revela dados de grande importância para a ação pastoral da Igreja, pois apresenta informes sobre mudanças de hábitos familiares na década 1998-2007. A pesquisa foi por amostragem e os questionários foram aplicados em 211 municípios brasileiros. O levantamento é mostrado em relatório com 74 páginas. Especialistas, cientistas sociais e colunistas do jornal fazem interpretação das mudanças. Irmão Nery, lassalista, autor de 48 livros, e que atualmente é presidente de SCALA (Sociedad de Catequetas Latinoamericanos), elaborou uma síntese dos resultados daquela pesquisa. Embora com atraso é o que divulgamos através desta coluna:
1. A Pesquisa 2007 Na capa do Caderno Família, da Folha de São Paulo, de 07/10, além da foto de famílias contentes e unidas, os títulos são animadores: pesquisa nacional do Datafolha revela: – mais tolerância na sexualidade e menos aborto; – a família é a instituição mais valorizada; – fidelidade é a qualidade mais desejada no parceiro.
2. Valores em alta Os dados da pesquisa revelam um novo perfil da família brasileira, com importantes mudanças de hábitos em relação à pesquisa anterior, realizada em 1998. Juntamente com o aumento da importância prioritária dada à família, estão em alta o trabalho, a religião e a fidelidade conjugal. É importante destacar que há uma clara rejeição à droga e, também, ao aborto e este, sobretudo, por causa do que o ultra-som vem mostrando à mulher sobre o desenvolvimento do feto (de 61% contra o aborto em 1998, subiu para 71% em 2007). Esta alta em alguns valores é estimulada, segundo a Pesquisa, sobretudo, por causa da insegurança afetiva e social, na denominada “sociedade de risco”. A família continua sendo uma espécie de seguro contra a solidão e a falta de amparo do Estado na velhice. Estes valores devem ser impulsionados, pois são fundamentais para a libertação e a promoção da família, diante de tanta guerra contra a ética, a moral, os valores, mas, também, diante de tanta violência, desemprego, desrespeito à dignidade humana e aos Direitos Humanos
3. Tendências de liberalização A Pesquisa revela, também, uma pequena entrada de um espírito mais tolerante e liberal nas famílias em relação a alguns aspectos, que sempre foram e são delicados: o comportamento sexual – mais livre do que outrora -, a tolerância dos pais quanto à relação sexual para os filhos, sobretudo, as moças (mesmo que adolescentes) e tendo como conseqüência a gravidez. Diminuiu a rejeição à homossexualidade, também, em relação aos filhos. Na nova família brasileira, porém, está em baixa a formalização legal do casamento (passou de 21% em 1998 para 31% em 2007). E o casamento civil.
4. Alguns dados percentuais comparativos a) Sair de casa: Que os filhos homens só saiam de casa para casar: 65% em 1998 e 60% em 2007, portanto aumento de tolerância de 26% em 1998 para 31% em 2007. Quanto às filhas, só para o casamento: 81% em 1998 e 74% em 2007. Um aumento de tolerância de 13% em 1998 para 19% em 2007; b) Dormir com o namorado: quanto aos filhos os pais não criariam problemas: 17% em 1998 e 21% em 2007. Quanto às filhas: 7% em 1978 e 12% em 2007. Mas não deixariam de jeito nenhum os filhos dormir com namorada: 63% em 1998 e 55% em 2007; e as filhas: 78% em 1998 e 66% em 2007; c) Mãe e trabalho fora de casa: 33% em 2007 acham que a mãe deve abrir mão do trabalho para cuidar dos filhos e 55% não concordam com isso. 8% não sabem opinar. Houve quase empate quando há real necessidade de trabalhar fora de casa, isto é, 49% sim e 45 não.
5. A situação da família brasileira hoje. A pesquisa Datafolha 2007 mostra alguns números que precisam ser analisados para o hoje do Brasil e para seu futuro: a) Composição da família brasileira: 49% das pessoas são casadas; 37% solteiras; 9% separadas e 6% viúvos. O Brasil está no 14º lugar entre os países com mais casamentos por mil habitantes. E 27% dos casais declaram que estão casados há mais de 20 anos; b) Pessoas por família: Hoje 29% das casas ainda têm 05 pessoas (pai, mãe, três filhos). A média de pessoas por família é de 3,8. Mas 24% das casas já têm de 03 a 04 pessoas. A tendência é diminuir o número de filhos (a média de filhos por família ainda é de 2,7). Tudo indica que a família passará para 02 filhos, para 01 filho e nenhum (8% das famílias têm mais de 05 filhos; 11% têm 03; 20% têm 2 filhos e 18% têm 01 filho. 14% dos casais não têm filhos). É preciso levar em conta, ainda, a grave questão da falta de um dos pais em casa, sobretudo, do pai; c) Conversa durante as refeições: 30% dos brasileiros declaram que não conversam durante as refeições, mas 68% consideram esta conversa muito importante; e) Solidão: Na faixa dos 26 aos 40 anos, 77% das mulheres e 33% dos homens estão sem companhia. Elas, as mulheres, sofrem mais com a solidão. Entretanto, na região sul 60% dizem que viver sozinho é uma experiência ótima ou boa, e na região Norte/Centro-Oeste, 38% afirmam o mesmo; f) Fidelidade: “O ideal de fidelidade, afirma a antropóloga Mirian Coldeberg, permanece fortíssima, inclusive nas relações extraconjugais. Não só no casamento, mas também no adultério, a fidelidade é um valor!” Mas há uma tendência: o conceito de fidelidade está em mudança. Mais do que evitar a traição na questão afetivo-sexual, trata-se de um amor-paixão que se transforma em amor-companheiro e amigo. De todos os modos, porém, revela a Pesquisa, homens e mulheres concordam em que a fidelidade é o que faz um casamento feliz e que a traição é o que mais prejudica.

CURTAS
1. Santuário de Lourdes receberá visita do Papa, em 2008, para celebrações dos 150 anos das aparições de Nossa Senhora
2. Bento XVI programa visita aos EUA em 2008. O anúncio indica que o Papa visitará Washington e Nova Iorque entre 15 e 20 de Abril. Bento XVI vai visitar o Ground Zero, local onde caíram as Torres Gêmeas, no 11 de Setembro de 2001. Será na manhã do dia 20 de abril para de tarde celebrar eucaristia no Estádio Yankee, antes do regresso ao Vaticano.
3. Foi inaugurado o Locus Pacis, o primeiro bar católico do Rio Grande do Sul. A iniciativa, que partiu do Projeto Jovem, Grupo GJC e Catedral São Luiz, está fazendo grande sucesso, mostrando que é possível frequentar um lugar sadio e repleto de pessoas que buscam se divertir estando mais perto de Deus. O Locus Pacis (Lugar de Paz) está localizado no Salão Nobre da Catedral São Luiz Gonzaga, no centro de Novo Hamburgo, RS.
4. CNBB comemora 30 anos em Brasília. Para comemorar os 30 anos da sede da CNBB em Brasília, foi celebrada dia 14 de novembro, às 15h, uma missa presidida pelo secretário-geral da Conferência, dom Dimas Lara Barbosa. Após a missa, houve um coquetel e a abertura da exposição fotográfica e documental sobre a história da CNBB nas últimas três décadas.
5. Vaticano beatifica primeiro indígena mapuche argentino. Dezenas de milhares de pessoas se reuniram domingo passado na pequena cidade de Chimpay, no sul da Argentina, para uma cerimônia em que a Igreja Católica beatificou um índio.A beatificação acende a esperança de muitos argentinos de ver o índio mapuche Ceferino Namuncura, morto na Itália em 1905, tornar-se santo.
Padre Manoel Valdery da Rocha * Pároco de Cruz

%d blogueiros gostam disto: