Encontro de Gestão Eclesial discute profissionalização e administração eficiente

Programação contemplou temas com abrangência nas principais questões do setor contábil, financeiro e patrimonial

O Encontro de Gestão Eclesial, promovido pela Diocese de Sobral, discutiu temas com abrangência nas principais questões do setor contábil, financeiro e patrimonial. O objetivo é fortalecer a profissionalização e a administração eficiente das paróquias e dos setores da Diocese, capacitando sacerdotes, secretários e colaboradores. O evento foi realizado no Centro de Treinamento de Sobral (Cetreso) na segunda-feira, 27, e na terça-feira, 28. O evento contou com a assessoria de Monsenhor Nereudo Freire Henrique, ecônomo da CNBB desde 2014, e do advogado Hugo José Sarubbi Cysneiros Oliveira, assessor jurídico civil da Nunciatura Apostólica do Brasil e da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).
O bispo diocesano Dom José Luiz Gomes de Vasconcelos explica que o Encontro tem o objetivo de profissionalizar a gestão eclesial nas paróquias e nos setores da Diocese. “O sacerdote tem o múnus de ensinar, de santificar e de governar e nesse múnus de governar, nós temos uma responsabilidade muito grande de administrar aquilo que é do povo de Deus. O sacerdote é responsável por uma comunidade paroquial que, dentro do mundo em que vivemos, não deixa de ser uma empresa; não uma empresa com fins lucrativos, mas que tem a sua organização, trabalha com recursos, precisa ser transparente e precisa saber investir bem seus recursos para que o Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo seja anunciado cada vez mais”, explica.
O evento faz parte da programação de formação permanente do clero, segundo Dom Vasconcelos. “Temos uma programação para uma formação permanente do clero em que temos trabalhado a pessoa. Tivemos três encontros consecutivos com pessoas capacitadas para trabalhar a pessoa do padre para que ele se sinta feliz, realizado, para que saiba trabalhar os seus sofrimentos, para que saiba trabalhar a pessoa. Se a pessoa não vai bem, consequentemente, aquilo que ele faz também não vai bem”, ressalta.
O encontro abordou uma análise da conjuntura sócio-eclesial e a estruturação necessária de departamentos, a legislação fiscal-financeira, contábil (SPED), RH (e-social), TI, Jurídico, IRRF/INSS das paróquias, além de estatutos, filantropia, associações mantidas pela Diocese/Paróquias. Também foi apresentado o Acordo Diplomático Brasil/Santa Sé e o Setor Patrimonial (patrimônio e bens eclesiásticos).

Profissionalização
Monsenhor Nereudo garante que uma boa gestão eclesial exige profissionalização. “Temos que entender que a organização religiosa é uma pessoa jurídica, tem um CNPJ, então requer observância à legislação, ter pessoas competentes na área do direito, da contabilidade, da gestão de pessoas. Assim, vamos construindo um ambiente em que se tornam mais transparente os processos, as ações”, garante.
A gestão, segundo Monsenhor Nereudo, é uma ferramenta estratégica. “Eu entendo que a gestão é uma ferramenta importante na administração para a evangelização. Quando somos cobrados como instituição, se temos profissionais qualificados, teremos êxito no que planejamos. A gestão da organização religiosa requer pessoas qualificadas e que tenham boa intuição. Nós valorizamos também os cristãos e sabemos a importância de humanizarmos nosso ambiente”, ressalta.
O ecônomo da CNBB explica que é preciso atenção e criar rotinas. “Gestão é um processo de coordenar as atividades dos membros de uma organização, estabelecendo uma direção através de visão ampliada, estratégica e de bom senso”, completa.

Formação
Como parte da grade formativa dos presbíteros, o Encontro tem também o objetivo de ampliar o olhar dos sacerdotes acerca de sua missão, como explica o representante do Clero da Diocese de Sobral, Pe. Marcos Uchôa. “Na Diocese de Sobral, temos um cronograma de formação permanente do clero. Este encontro de gestão eclesial é uma continuidade do que abordamos tendo em vista uma visão ampla do ser presbítero”, explica.
Junto aos setores administrativos, segundo o sacerdote, é preciso desenvolver cada vez mais um olhar de pastoreio, zelo e transparência. “Não é apenas porque o Governo nos exige, mas principalmente para que sejamos luz também na questão contábil. Não dá para pensar evangelização e catequese sem uma boa administração e planejamento de forma conjunta”, ressalta.

Profissionalização
Valmir Andrade, contador
Como todas as empresas, as paróquias e a Diocese precisam apresentar suas contas com responsabilidade e profissionalismo, segundo o contador Valmir Andrade. “A Igreja precisa apresentar os balanços e demonstrativos como qualquer empresa”, explica. No entanto, como empresa religiosa, é preciso unir profissionalização com evangelização. “É a missão da Igreja”, completa.

Conscientização
Edna Chaves, ecônoma da Diocese de Sobral
O curso foi essencial para conscientização da gestão eclesial, segundo a ecônoma da Diocese de Sobral, Edna Chaves. “Uma nova conscientização da gestão eclesial, dividindo responsabilidades com todos os envolvidos, uma integração dos setores administrativos da Diocese. Bispo, párocos, secretários, contador, conselho econômico, setor patrimonial, setor jurídico e economato”, ressalta. O objetivo, segundo ela, é “uma gestão organizada com transparência e qualidade mediante os desafios do dia a dia”, completa.

%d blogueiros gostam disto: