Monsenhor Furtado: 20 anos de vida eterna

No dia 11 de março de 1998, há exatos 20 anos, o povo de Meruoca recebia a triste notícia do falecimento de Monsenhor Furtado. Um sentimento de orfandade invadia o coração dos meruoquenses, pois haviam perdido seu grande pai e guia espiritual, após 50 anos de missão. De fato, nenhuma palavra adjetiva tão bem aquilo que ele representou para aquele povo como a palavra PAI. Será realizado um tríduo in memoriam a Monsenhor Furtado de 9 a 11 de março na Paróquia de Meruoca.

José Furtado Cavalcanti nasceu em Viçosa, no dia 19 de setembro de 1916. Cresceu no seio de uma família profundamente cristã, de onde floresceu o desejo do sacerdócio. Ingressou no seminário aos 18 anos e, no dia 03 de dezembro de 1944, ordenou-se sacerdote. Escolheu como lema presbiteral: “Pela Graça de Deus sou o que sou, sacerdote eternamente”. Foi vigário cooperador em Granja, Ibiapina, Massapê e Viçosa. A 25 de janeiro de 1948, chegou em Meruoca a bordo de um caminhão pau-de-arara.

Logo que chegou, deparou-se com situações de miséria, sofrimentos e doenças. O jovem sacerdote teve compaixão daquele povo, porque eram como ovelhas que não têm pastor. E daí por diante começou a sua luta. Com bastante sacrifício, ele educou e foi mudando a mentalidade do povo inculto e rude da serra. Foi um autêntico mestre da sabedoria terrena, com sua vasta inteligência, e da sabedoria celeste, com seus dons espirituais.

Sua atuação foi para além do campo espiritual. Devido à falta de médicos em Meruoca, Monsenhor Furtado estudava livros de medicina e consultava os doentes. Distribuía medicamentos farmacológicos e ensinava receitas com ervas medicinais. Aonde ele chegava, escutava, aconselhava, advertia e prevenia a todos. Onde havia brigas e disputas, levava a paz e a concórdia. Nos primeiros anos de sua missão, Pe. José Furtado percorria a serra toda a cavalo, pois quase não havia estradas.

Nos povoados mais pobres, financiou a construção de casas de farinha e hortas comunitárias. Estimulou mutirões para a construção de capelas e abertura de estradas de rodagem. Construiu açudes, incentivou a construção da primeira maternidade, criou a escola paroquial para alfabetizar as crianças mais humildes, fundou o Patronato Dom José, o qual entregou à direção das Irmãs Josefinas, e fundou o Ginásio Meruoca, atual Escola Estadual Monsenhor Furtado.

Era muito sensível às causas sociais, mas nunca deixava de falar do Céu e da eternidade em suas sábias pregações. Repetia muitas vezes: “vamos viver nos educando na esperança da Ressurreição”. Era incansável em sua missão e zeloso em seu ministério. A qualquer hora do dia ou da noite, não media distância nem dificuldade para levar o conforto sacramental a algum enfermo agonizante. Os montes e os palmeirais da serra são testemunhas de suas andanças!

Segundo afirmam os padres que lhe foram contemporâneos, Monsenhor Furtado era um sólido modelo de sacerdote. Exímio pregador do Evangelho e grande confessor, chegava a passar várias horas no confessionário. Era seguro em seus pensamentos e convicto em suas palavras. Ensinava com seus conselhos e com seu testemunho idôneo. Proferiu ensinamentos que permanecem gravados na mente e no coração de muitos. Foi um padre amado e respeitado por todos.

Uma das marcas do seu ministério foi a promoção vocacional. A forma como ele abraçava o sacerdócio acabou despertando muitas vocações, o que legou à Meruoca o título de “celeiro de vocações”. Encaminhou vários rapazes para o seminário e inúmeras moças para o convento. Hoje são padres, freiras e bons cristãos.

Monsenhor Furtado foi juiz, advogado, médico e conselheiro dos pobres. Nunca tirou férias e, verdadeiramente, consumiu-se pelo Reino de Deus. Foi um pastor indormido que se exauriu pelas suas ovelhas. Tornou-se tudo para todos!

Mesmo nos últimos meses de sua vida, quando as doenças já lhe enfraqueciam, continuou administrando o Sacramento da Penitência, escutando as confissões deitado em sua cama. Quando era acometido pelas dores, dizia: “quero sofrer pelos meus irmãos sacerdotes”. Faleceu na Santa Casa de Sobral aos 82 anos de vida e 54 anos de um fecundo sacerdócio, 50 dos quais em favor do povo da serra da Meruoca. É um monumento perene erigido na história de Meruoca e de Alcântaras.

Tríduo

As paróquias de Meruoca e Alcântaras celebrarão no período de 09 a 11/03/2018 o tríduo ao Monsenhor Furtado, pelos 20 anos de vida eterna. A da Igreja Matriz de Nossa Senhora da Imaculada Conceição de Meruoca constará de: 18h – adoração ao Santíssimo Sacramento, 19h. missa em ação de graças, 20h. apresentações culturais e artísticas sobre sua trajetória.   

09/03 – Missa presidida pelo Pe. João Paulo, pároco de Meruoca. Responsável pela parte cultural Escola de Ensino Médio Mons. Furtado, colaboradores – Rainha da Paz, escolas dep. Francisco Monte e anexos, e escola Rosinha Sampaio.

10/03 – Missa presidida pelo Mons. Gonçalo de Pinho Gomes, vigário geral da diocese. Responsáveis, Liturgia e pastorais. Colaboradores, capelas e ECC.

11/03 – Missa presidida pelo Pe. Bosco, pároco de Alcantaras, concelebrante Pe. Magalhães, alcantarense e pároco de Frecheirinha. Responsável ECC, colaboração, Paróquia de Alcantaras e capela de Carmolandia.

%d blogueiros gostam disto: