São Francisco, Cidadão Canideense

Semana passada abordei o tema Todos os Santos. Esta semana, matéria do jornal Diário do Nordeste (07/11), publicou interessante pesquisa sobre as devoções dos cearenses (quase 70% da população é católica), com os seguintes resultados: em 1º lugar, com 13%, São Francisco; em segundo lugar, Nossa Senhora de Fátima, com 10%; em terceiro, Nossa Senhora Aparecida, com 9%. Empatados, Padre Cícero e São José, com 4%. Se somarmos os percentuais atribuídos a Nossa Senhora, temos 27%.
A devoção a Nossa Senhora de Fátima se incrementou nos anos 1950, quando o Estado recebeu a visita de sua imagem peregrina, por duas vezes. Em outubro de 1952, quando passou uma semana em Fortaleza e, em 1953, quando percorreu todo o Ceará, oportunidade em que ocorreram milagres e, até, o fato de que o povo de Crateús e as autoridades locais de então, impediram a imagem de seguir seu curso normal, ficando ela uma noite além do previsto no Município, originando a história da “prisão” da imagem.
Nossa Senhora Aparecida é a padroeira do Brasil; Padre Cícero é cearense e São José veio junto com os nossos colonizadores. Aquiraz, nossa primeira capital, tem por padroeiro, o Santo. Com a mudança de capital, São José foi designado Padroeiro do Ceará.
O primeiro colocado, São Francisco, tem celebração universal. Tendo vivido no século XIII, na Itália, sua devoção se espalhou por todo o mundo como modelo de perfeição, ante sua vida, seu desapego de tudo e seu amor a Deus acima de tudo, optando por viver na pobreza radical. O maior local de devoção ao Santo é sua terra, Assisi, na Perugia, Itália, onde um dia percorri seus caminhos. No Ceará está o segundo maior santuário franciscano do mundo: Canindé. O início de tudo se deu no século XVIII, quando foi construída uma capela a ele dedicada e veio, da Itália, a primeira imagem do Santo. A pequena capela deu origem à Basílica Menor de São Francisco, a qual tive a honra de relatar o Parecer de Tombamento, no Conselho Estadual de Preservação do Patrimônio Cultural do Ceará – COEPA.
Na matéria citada, uma informação me chamou a atenção. Pelo Decreto Legislativo N° 020/2018, publicado no Diário Oficial do Município de Canindé, de 1°/11 (Dia de Todos os Santos), foi concedido o “Título Honorífico de Cidadão Canindeense, ao PADROEIRO da Cidade, ‘São Francisco’ (in memoriam)”. Pesquisei virtualmente e consultei a alguns colegas hagiólogos, mas, não encontrei, em lugar nenhum, tal tributo a um santo padroeiro. O projeto é de autoria do Vereador Carlos Anastácio que, em justificativa, relatou a biografia do Santo e, após, conclamou: “Colegas Vereadores, observem que nosso surgimento, crescimento social, econômico, cultural, religioso e político, vieram através de São Francisco… Hoje, Canindé é reconhecido em todo o mundo, graças à cidadania religiosa que São Francisco soube repassar aos seus seguidores” e concluiu dizendo, em justo reconhecimento, que “se alguém merece tal honraria de cidadania canindeense, esse é São Francisco”. Hagiólogo que sou e amante das coisas sagradas, aplaudo a iniciativa do título inédito e sugiro à Câmara Municipal de Canindé comunicar à Municipalidade de Assisi, essa merecida homenagem ao Santo Assisense que conquistou o mundo.
Salve oh Francisco, Cidadão Canideense!

%d blogueiros gostam disto: