Dom Vasconcelos reflete sobre chamado de Deus na abertura do mês vocacional e lançamento da OVS

“Vocação é chamado de Deus. O Senhor nos chama cotidianamente de vários modos; chama-nos para rezar e para amar, como dizia São João Maria Vianney, padroeiro dos sacerdotes”, ressalta o bispo diocesano Dom José Luiz Gomes de Vasconcelos em santa missa solene na Catedral Nossa Senhora da Conceição (Sé) no domingo, 5. A celebração de abertura oficial do mês vocacional também reinaugura a Obra das Vocações Sacerdotais (OVS), movimento que pede ao povo de Deus oração pelo surgimento de novas vocações e ajuda material para a manutenção dos seminários. A programação teve início às 8h com a Hora Santa Vocacional com adoração ao Santíssimo Sacramento.
A santa missa foi concelebrada por Pe. Airton Liberato (pároco da Paróquia São Paulo Apóstolo), Pe. Fábio Barbosa (sacerdote responsável pela pastoral vocacional e Vigário Paroquial da Paróquia de São Sebastião de Ipu), Pe. Jocélio Medeiros (Reitor do Seminário Propedêutico São José e um dos responsáveis pela OVS) e Pe José Lucione Queiroz Holanda (pároco da Catedral).

Dom Vasconcelos explica que o mês vocacional chama à oração por todas as vocações. No primeiro domingo, celebramos a vocação sacerdotal. No segundo, dia dos pais, ressaltamos a vocação matrimonial e abrimos a Semana da Família. No terceiro domingo, o destaque é para a vocação religiosa e consagrada. Os leigos e leigas, ministros, catequistas e missionários são tema do quarto domingo. “A vocação maior não é ser padre, freira ou leigo, mas é ser santo. Este é o chamado de todo cristão. Não fostes vós que me escolhestes. Eu que vos escolhi”, completa Dom Vasconcelos.

Pe. Fábio Barbosa louvou a Deus pelos diversos carismas e apresentou a Campanha Vocacional deste ano “Uma vocação por comunidade”. “Todo o povo de Deus é chamado a rezar uma dezena antes de cada celebração pelas vocações”. Também haverá pequenos vídeos sobre o valor da vida vocacional. Pe. Jocélio Medeiros apresentou a Obra das Vocações Sacerdotais com as duas perspectivas de oração e responsabilidade em prover as futuras vocações. “A OVS pretende criar uma cultura vocacional na Diocese de rezar pelo surgimento de novas vocações e ajudar materialmente”, explica. A Diocese conta com 13 seminaristas no Seminário Propedêutico São José, outros nove no seminário filosófico São João Paulo II e cinco no seminário teológico Imaculada Conceição, além de outros três seminaristas em Belo Horizonte cursando teologia.

Mês eucarístico
Agosto, além de ser um mês vocacional, é também eucarístico. “Neste ano, estamos acompanhando evangelho de São Marcos, primeiro a ser escrito e o menor de todos. Mas nos domingos de agosto, refletimos o capítulo sexto de João, cujo tema central é a eucaristia, maior dom porque a Eucaristia é o próprio Cristo. Jesus instituiu o ministério sacerdotal na primeira missa que celebrou, transformando pão e vinho em corpo e sangue”, ressalta Dom Vasconcelos durante sua homilia. O bispo refletiu ainda sobre a multiplicação dos pães e como Jesus antecipa com milagre a graça da eucaristia. “‘Eu sou o pão da vida descido do Céu’, diz Jesus, Precisamos nos alimentar desse pão vivo descido do Céu”, ressalta
A palavra de Deus na liturgia do dia aborda aspectos fundamentais. O primeiro deles é a vocação como chamado e discernimento. “Deus quer que eu seja padre, religioso? É preciso saber qual a vontade de Deus e lembrar que o Senhor nos diz: Não fostes vós que me escolhestes, eu que vos escolhi.” O segundo aspecto é a conversão. “É preciso revestir-se do homem novo e modelar-se como barro nas mãos do oleiro”, explica. Na primeira leitura, aparece Moisés que libertou o povo da escravidão do Egito e o conduziu ao deserto.
“Também precisamos de um deserto, do silêncio para escutar a Deus. O primeiro mandamento é ‘Ouve, ó Israel, o Senhor teu Deus’. Para ouvir, precisamos fazer um deserto”, garante. Neste tempo que deveria ser de escuta atenta do Senhor, o povo começa a reclamar e falta discernimento. Deus em sua misericórdia envia o maná do deserto e as codornizes e ensina o povo a confiar em sua providência. “Eles não podem guardar o maná de um dia para outro ou apodrece. O pão nosso de cada dia nos dai hoje! Mas tem gente que quer acumular e falta pão na mesa de outros. Eu preciso me despojar e aprender que o maná é um sinal do pão do Céu”, completa.

Serviço
Doações aos seminaristas
Caixa Econômica Federal
Agência: 0554
Operação: 003
Conta Corrente: 5065-0

Vocação sacerdotal
Pe. Airton Liberato, pároco da paróquia São Paulo Apóstolo
O sacerdote é sempre um promotor e um animador vocacional, segundo o Pe. Airton Liberato, pároco da paróquia São Paulo Apóstolo. “A missão do sacerdote é manter a obra salvífica do Senhor por meio dos sacramentos, em especial a penitência e a Eucaristia. Sem sacerdote, não é possível celebrar a Eucaristia”, ressalta. Pe. Airton explica ainda que não só durante o mês vocacional, mas durante o ano inteiro os sacerdotes são chamados a auxiliar no discernimento e promoção de novas vocações. “Todo padre é um promotor vocacional e essa promoção se intensifica durante este mês”, completa.

Ser família
José Stélio Cavalcante Pinheiro, 68, médico, e Tereza Maria Magalhães Pinheiro, 57, funcionária pública
Berço de todas as vocações, é na família que os filhos podem aprender a amar e a conhecer a Deus, segundo o médico José Stélio Cavalcante Pinheiro, 68. “A família é o princípio. Os pais precisam ser espelhos de cristãos para os filhos”, ressalta. Ao lado da esposa, Tereza Maria Magalhães Pinheiro, 57, funcionária pública, Stélio sempre participa dos movimentos da Igreja e ressalta que abraçar a Obra das Vocações (OVS) também é missão dos leigos. “Quando eu era criança, já existia a OVS e agora a Diocese está revitalizando este movimento”, completa.

Consagração a Deus
Irmã Damile Azevedo, Missionária Reparadora do Coração de Jesus e coordenadora da Conferência dos Religiosos do Brasil (CRB) na Diocese de Sobral
“A vida religiosa é maravilhosa. Eu me sinto muito feliz por ser consagrada a Deus”, garante irmã Damile Azevedo, Missionária Reparadora do Coração de Jesus e coordenadora da Conferência dos Religiosos do Brasil (CRB) na Diocese de Sobral. Ela lembra que a vocação religiosa é celebrada no terceiro domingo do mês de agosto. Em Sobral, são oito congregações religiosas com seus diversos carismas a serviço da Igreja.

Sal e luz
Mariana Helena Lopes, 54, funcionária pública e missionária da Comunidade Shalom
Chamados a ser sal e luz do mundo, os leigos têm como vocação ser sinal de Cristo em suas casas, nos locais de trabalho, segundo a missionária da Comunidade Shalom, a funcionária pública Mariana Helena Lopes, 54. “Neste ano do laicato de forma especial, nós leigos precisamos viver nossa missão de sermos sal da terra e luz do mundo na sociedade, no mundo atual. Sermos presença de Jesus Cristo nos nossos trabalhos, na nossa família. Que nossa vida seja luz que brilha para o mundo e aponta para Cristo. Neste mundo que tanto precisa da luz de Cristo, precisamos também nos amparar na estrela da evangelização, a Imaculada Conceição, a Mãe de Deus”, ressalta.

%d blogueiros gostam disto: