Monsenhor Sadoc de Araújo: sacerdote sobralense versado em cultura e história

Religioso sobralense ocupou brilhantemente importantes cargos, pelo que foi merecedor de muitas homenagens

“Procurei sempre servir à Igreja Católica e à Universidade, as duas colunas que no mundo sustentam a cultura e a verdade”, disse Mons. Francisco Sadoc de Araújo sintetizando toda sua vida e obra. Sacerdote exemplar, educador, historiador, intelectual de vasta cultura, músico, empreendedor e acima de tudo, homem humilde e simples, Francisco Sadoc de Araújo nasceu em Sobral no dia 17 de dezembro de 1931. Filho de Galdino Orlando de Araújo e Rita Albuquerque de Araújo, recebeu o sacramento do batismo a 14 de abril do mesmo ano.

Estudou as primeiras letras em sua terra natal, tendo concluído o curso primário no Educandário São José, da Profª. Honorina Passos, em dezembro de 1942. Com o pai, que era músico, aprendeu a tocar violão e outros instrumentos e a compor, razão pela qual é autor de diversos hinos. A 8 de dezembro de 1943 ingressou no Seminário Menor de Sobral, onde terminou o curso secundário a 8 de dezembro de 1949. Em fevereiro do ano seguinte, matriculou-se no Seminário Maior de Fortaleza, concluindo o curso de Teologia em fevereiro de 1952. Em setembro, partiu para a Itália, a fim de estudar na Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma, onde concluiu o bacharelado em Teologia em junho de 1954 e o mestrado em junho de 1956.

Em 25 de fevereiro de 1956, aos 24 anos, foi ordenado sacerdote em Roma, Itália, pelo cardeal responsável por aquele templo. No dia seguinte rezou sua primeira missa na Basílica de São João de Latrão, apadrinhado por seu colega norte-americano Pe. David Warren. Já ordenado, Pe. Sadoc de Araújo teve como primeira experiência sacerdotal trabalhos realizados no Kloster Nette, em Osnabruek, cidade da Alemanha Ocidental, num convento de religiosas franciscanas, onde permaneceu por dois meses. Participou, ainda, em 1956, de um curso de atualização pastoral em Bruxelas.

Em novembro de 1956, Pe Sadoc de Araújo retornou temporariamente a Sobral. A 8 de fevereiro de 1957 foi nomeado professor do Seminário e Capelão do Colégio Santana, cargos que exerceu até 1964, quando assumiu a reitoria do primeiro destes estabelecimentos. Em 1967, deixou novamente sua terra, indo participar de um curso de Psicologia Profunda na Faculdade Cristo Rei, que durou o ano inteiro, em São Leopoldo (RS), dirigido pelos padres jesuítas.

Retornando definitivamente a Sobral em fevereiro de 1968, Pe Sadoc de Araújo dedicou-se integralmente à evangelização e à educação. Em 1968 fundou o Ginásio de Aplicação (já extinto) e, com o apoio do então prefeito Jerônimo de Medeiros Prado, a Fundação Universidade Vale do Acaraú, atualmente Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA), marco maior na educação da região e a mais importante alavanca para o progresso da cidade. Além de fundador desta instituição de ensino superior, foi também presidente do seu Conselho Diretor (1968-1984) e, após a encampação pelo governo do Estado (1984), permaneceu como reitor até 1989, dedicando-lhe mais de trinta anos de relevantes serviços. Como professor, lecionou em diversos estabelecimentos de ensino de Sobral, tais como: UVA, Ginásio de Aplicação, Colégio Santana, Colégio Sobralense, dentre outros.

Cargos e homenagens

O religioso sobralense ocupou brilhantemente importantes cargos, pelo que foi merecedor de muitas homenagens: Diretor do Jornal Correio da Semana (1964/1966); Diretor da Rádio Tupinambá de Sobral; Presidente da Comissão de Encargos Educacionais do Conselho de Educacionais do Ceará (1968/1988); Presidente do Conselho Diretor da UVA; Vice-Presidente do Conselho de Educação do Ceará (1977); Presidente da Câmara do 2º Grau do Conselho de Educação do Ceará, com três mandatos de dois anos; Presidente do Rotary Club de Sobral (1977/1978); Sócio da Academia Cearense de Letras, Cadeira nº 15; Sócio da Academia Sobralense de Estudos e Letras; Membro do Instituto Cultural do Vale Caririense de Juazeiro do Norte; Membro do Instituto do Ceará; Membro do Instituto Genealógico Brasileiro; Diretor do Instituto de Filosofia e Teologia da Arquidiocese de Olinda e Recife (1991); Capelão do Arquipélago de Fernando de Noronha (1991) e outras mais.

O sacerdote historiador sobralense conta com dezenas de livros publicados que comprovam sua preocupação com a compreensão e preservação do passado. Na evangelização, sua obra é notadamente visível na intenção quotidiana de tornar homens, mulheres e crianças mais cristãos através da divulgação da Palavra de Deus, magnificamente transmitida através de suas homilias cativantes, aconselhamentos ou nas suas mensagens na Rádio Ressurreição AM 1460, por ele fundada em 12 de outubro de 2002. Na sua ação evangelizadora também está inserida a edificação de vários templos católicos, com a imprescindível colaboração de colegas do sacerdócio e devotados fiéis, tendo como exemplo a construção da Paróquia do Cristo Ressuscitado, Santuário da Mãe Rainha, Capela de Santo Expedito, reformas em diversas capelas. (Com informações de Artemísio da Costa)

%d blogueiros gostam disto: