Número de jovens que abandonam a escola chega a 1,3 milhões

Dados de um estudo feito pelo Instituto Unibanco apontam que, nos últimos dez anos, aumentou a porcentagem de jovens que terminam de fazer o ensino médio até os 17 anos. Entre 2004 e 2014, esse número cresceu de 5% para 19%.
Apesar de os números serem positivos, há 1,3 milhões jovens entre 15 e 17 anos que deixaram a escola antes mesmo de concluir os estudos. Destes, 52% não finalizaram nem mesmo o ensino fundamental. De acordo com a publicação, este subgrupo é o mais vulnerável, já que é formado por brasileiros que vão ter poucas chances no mercado de trabalho e as chances de esses jovens voltarem às salas de aula são mínimas.
A renda familiar, segundo o estudo Aprendizagem em Foco, é um dos fatores que influencia no progresso dos alunos na escola. Assim, quanto maior a renda, mais os estudantes avançam nos estudos.
Dos jovens que concluíram o ensino médio na idade certa, a média de renda familiar por pessoa é R$ 885. Enquanto isso, percebe-se que a média de renda cai para R$436 entre os que não terminaram o ensino fundamental. O ingresso no mercado de trabalho e a gravidez na adolescência estão entre os fatores responsáveis para que os jovens a deixem a escola.
As mulheres representam 46% do total de 1,3 milhão de jovens de 15 a 17 anos fora da escola sem ensino médio concluído. Das 610 mil são adolescentes que fazem parte dessa peorcentagem, 35% já eram mães nessa faixa etária. Apenas 2% das adolescentes que engravidaram deram sequência aos estudos. Já entre os homens, o maior percentual, 63%, estavam trabalhando ou procurando emprego.
O texto do estudo aponta que “entender o perfil do jovem que evade da escola e identificar os momentos em que esse movimento é mais provável são ações importantes a serem realizadas pelos gestores de escolas e dos sistemas educacionais”.
O estudo aponta também o desinteresse como uma das causas da evasão escolar. A repetência e o desintersse dos jovens pelos estudos são razões que levam ao abandono. O deputado estadual Professor Teodoro defende que esses jovens precisam se sentir motivados a fazer parte do ambiente escolar e, para isso, é preciso que as escolas sejam mais atrativas. O parlamentar aponta que o investimento na educação é crucial para o desenvolvimento do País. “A educação é a mola propulsora do homem”, ressalta.

Herbênya Alves

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: